© Foto: Arquivo Instituto Terra
© Foto: Arquivo Instituto Terra

Pesquisa Científica Aplicada

Portal Semear

Com a finalidade de prover informações básicas sobre questões fundamentais na produção de mudas e seu respectivo plantio, o Instituto Terra desenvolveu o portal SEMEAR (www.portalsemear.org), com patrocínio do BNDES Iniciativa Mata Atlântica, como parte do esforço em fornecer instrumentos de apoio ao reflorestamento e desenvolvimento ambiental, vindo ao encontro do grande desafio nacional: recuperar e restaurar áreas degradadas, o que exige vasto conhecimento sobre a fisiologia das sementes e de suas especificidades, principalmente quando se trata de Mata Atlântica, dado ao grande número de espécies ocorrentes nesse bioma.

Iniciativa pioneira, o Portal Semear já reúne documentação técnica de perto de 100 espécies nativas de Mata Atlântica, com o passo a passo para a produção de mudas com sucesso. Mas o objetivo é cadastrar todas as 297 espécies já produzidas no viveiro do Instituto Terra. São informações que o Instituto Terra pesquisou e organizou ao longo dos últimos 20 anos, a partir de toda a experiência obtida com o viveiro de nativas que mantém na RPPN Fazenda Bulcão.

Desenvolvida no modelo de “enciclopédia online”, o Portal Semear tem acesso gratuito e permite a colaboração para o conteúdo técnico ali exposto. São informações voltadas para os profissionais da área de Ciências da terra, viveiristas, proprietários rurais, entre outros, que passam a ter mais tranquilidade para produzir as próprias mudas para as ações de reflorestamento, reduzindo custos da aquisição e garantindo maior sucesso nos plantios para regeneração de áreas degradadas.

Instituto Terra cria banco genético de espécies nativas da Mata Atlântica

O Vale do Rio Doce é hoje uma área de Mata Atlântica altamente degradada e com a ameaça de extinção de diversas espécies nativas. Diante desse quadro, uma das ações determinadas pelo Instituto Terra como de grande importância é garantir a continuidade das espécies presentes na região. Foi a partir dessa preocupação que o Instituto Terra desenvolveu ao longo do ano de 2018 um projeto que visa criar um celeiro com as espécies de enorme importância socioambiental e cultural da região, constituindo-se num importante banco genético para o futuro da Floresta Atlântica.

Para isso serão criados “pomares” com áreas aproximadas de 1,3 hectares para cada espécie, contendo cada um 800 mudas produzidas a partir de 40 matrizes diferentes, garantindo assim a variabilidade genética. A ideia é que esses pomares sejam distribuídos dentro da própria RPPN Fazenda Bulcão, ou em propriedades próximas de parceiros do Instituto Terra, para aumentar a segurança no estabelecimento deste pomar e diminuição de riscos de perdas.

A primeira fase do projeto do Banco Genético da Mata Atlântica deve envolver cinco anos de trabalho, sendo a expectativa de que até 2023 tenham sido desenvolvidas cinco espécies selecionadas como prioritárias, diante do risco de extinção.

A primeira espécie a ser multiplicada na RPPN Fazenda Bulcão é a Peroba-amarela. As sementes de Peroba-amarela foram coletadas e semeadas para a produção de 8.000 mudas em tubetes já no ano de 2018, as quais vão compor o banco genético de conservação ex situ do Instituto Terra (pomar de sementes), importante ação para conservar a variabilidade genética da espécie.

Faça parte da transformação

Colabore e participe do projeto que é um grande exemplo para o mundo.

Traduzir »