DIGITE SEU EMAIL E RECEBA NOTÍCIAS
     
 
Aimorés, MG - Brasil | 12/12/2018 - Bom dia!  
   

Busca:

CONVÊNIOS
Após incêndio, Reserva de Itapina receberá novos plantios
Autor: Maria Helena Fabriz - 29/08/2014
Notícias

 

Refazer o que o fogo destruiu. Essa é a atual tarefa dos trabalhadores de campo do Instituto Terra na Reserva Ecológica de Itapina, em Colatina-ES. A Reserva sofreu um grande incêndio em agosto de 2013, quando perdeu 36,19% da cobertura vegetal que estava sendo recuperada pela ONG ambiental desde 2009.

O trabalho de refazer os plantios nos 38 hectares de área reflorestada que foram perdidos com o incêndio está sendo possível a partir de novo apoio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, que destinou recursos da ordem de R$ 713.221,00. Parte desse montante também vai permitir ao Instituto Terra promover o enriquecimento dos demais 67 hectares já reflorestados na reserva, que tem área total de 105 hectares, e assim ajudar a promover o aumento da diversidade de espécies nativas.

Área de Mata Atlântica, a Reserva de Itapina estava em estágio avançado de degradação quando o Instituto Terra iniciou o trabalho de reflorestamento há cinco anos. Durante esse período, as ações realizadas tiveram o apoio e aporte financeiro do próprio BNDES, da Samarco e da Prefeitura Municipal de Colatina. Somando esforços no resgate da área destruída pelo fogo, a Vale destinou 100 mil mudas de espécies de Mata Atlântica, além de adubo.

Em relação ao incêndio, o laudo do Corpo de Bombeiros apontou como causa do fogo "ação pessoal", e esse laudo foi encaminhado à Polícia Civil para as providências legais. De acordo com o analista Ambiental do Instituto Terra, Jaeder Lopes Vieira, a recomposição florestal da Reserva de Itapina apresentou grau de complexidade extrema, devido ao avançado estágio de degradação em que se encontrava, fruto de uma exploração predatória, que causou a perda de nutrientes, da cobertura vegetal existente e marcadamente de solo.

"Além disso, existem as características próprias das áreas de Mata Atlântica, que após um incêndio, tornam ainda mais necessária a intervenção humana para reconstituir a cobertura vegetal", explicou Vieira. O trabalho de campo de preparar o terreno para receber os novos plantios já foi iniciado. As novas mudas devem ser implantadas no último trimestre deste ano de 2014, logo após as primeiras chuvas.

 

 
 


Todos os direitos reservados
www.institutoterra.org