DIGITE SEU EMAIL E RECEBA NOTÍCIAS
     
 
Aimorés, MG - Brasil | 18/12/2018 - Boa tarde!  
   

Busca:

MEIO AMBIENTE
RPPN Fazenda Bulcão é refúgio para espécies ameaçadas da fauna brasileira.
Autor: Comunicação - 11/09/2012

 

RPPN Fazenda Bulcão é refúgio para espécies ameaçadas da fauna brasileira

Área do Instituto Terra é segundo local de maior ocorrência do papagaio Chauá na microrregião de Aimorés-MG

Após 14 anos de atividades, o Instituto Terra comemora a recuperação florestal de 80% da RPPN Fazenda Bulcão, localizada em Aimorés (MG). Palco de um importante processo de resgate da biodiversidade da Mata Atlântica no Vale do Rio Doce, a área reflorestada é hoje refúgio seguro para espécies ameaçadas da fauna brasileira.

Registros do monitoramento anual comprovam que vivem na RPPN desde pequenos invertebrados, como formigas, besouros e borboletas, até uma família de jaguatiricas (Leopardus pardalis), numa marcante demonstração de que o ciclo da cadeia alimentar foi restabelecido na área reflorestada – que há pouco mais de uma década estava completamente degradada.

Outro importante dado que comprova esse resgate ambiental é o fato da RPPN ter sido reconhecida recentemente como o segundo local de maior ocorrência do papagaio Chauá (Amazona rhodocorytha) na região, de acordo com o último levantamento da fauna da região, promovido pela Usina Hidrelétrica de Aimorés.

“A ocorrência desses animais demonstra o acerto no processo de recuperação ecossistêmica implantado naRRPN Fazenda Bulcão desde seus primeiros plantios de mudas arbóreas, em 1999”, explica Jaeder Lopes Vieira, analista ambiental do Instituto Terra, ressaltando que a presença de um animal do porte da jaguatirica é indicador de que a teia alimentar está consistente, permitindo que esse felino, de topo de cadeia, se restabeleça no local. A jaguatirica é uma das 30 espécies de mamíferos já avistados na RPPN, assim como o papagaio Chauá é uma das 173 aves já registradas pelo monitoramento da fauna na fazenda, além de 16 espécies de répteis e 15 de anfíbios – muitas dessas espécies hoje em risco de extinção.

 

Segundo o analista ambiental, a floresta em franco crescimento na RPPN agora está suprindo a necessidade tanto de alimentação quanto servindo de área de reprodução para esses animais e aves que sofrem com a perda de seu habitat natural. Jaeder lembra ainda das ações de recuperação do Instituto Terra, que vão além do plantio de árvores e envolvem a proteção contra fogo e também de caçadores, além do trabalho permanente da educação ambiental, a fim de demonstrar à comunidade do entorno a importância da conservação e recuperação da Mata Atlântica.

 

 
 


Todos os direitos reservados
www.institutoterra.org